AÇÕES SINDICAIS

Ecosampa realiza Semana Interna de Prevenção de Acidentes 2021 até sexta-feira

14/09/2021



Desde segunda-feira (13) e até sexta (17) de setembro, a Ecosampa realiza a Semana Interna de Prevenção de Acidentes (SIPAT-2021), cujo objetivo é reforçar a necessidade de cada trabalhador estar atento à prevenção de acidentes no ambiente de trabalho, aprendendo a agir de forma eficiente e dando encaminhamento correto em caso de ocorrências. Diretores, coordenadores e assessores do SIEMACO São Paulo participam  

Organizada pela área de Qualidade Segurança do Trabalho Meio Ambiente e Saúde (QSMS) e contando com o apoio de toda a EcoSampa, a programação inclui o Setembro Amarelo, campanha anual de prevenção ao suicídio.

Segundo as redes sociais da EcoSampa, “é um evento que deve constar no calendário de todas as empresas que se preocupam com a segurança do trabalho”.

O evento acontece na garagem da matriz. Participam equipes com 80 trabalhadores por turno, divididos entre os alojamentos.

Durante a SIPAT são realizadas palestras, gincanas, atividades teatrais, ações motivacionais e sorteio de brindes, para que as informações a respeito da prevenção de acidentes de trabalho sejam repassadas de maneira lúdica e descontraída, contribuindo para que os trabalhadores fiquem mais confortáveis para absorver o conteúdo repassado.

O SIPAT também ressalta a importância do Setembro Amarelo, cujo objetivo é alertar os trabalhadores sobre o perigo de se desenvolver uma motivação suicida.

A SIPAT 2021 é dividida em três turnos diários:

Manhã: 9h às 11h30;

Tarde: 14h às 16h30;

Noite: 21h às 22h30.

 

Setembro Amarelo

A campanha anual de prevenção ao suicídio, que ocorre no Brasil desde 2014 sob o título de Setembro Amarelo, levanta nessa edição uma preocupação específica com o momento que o país e o mundo atravessam. Em uma nota divulgada em seu portal eletrônico, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) traz algumas palavras do seu diretor-presidente, Paulo Rabello, sobre o risco do agravamento de quadros de saúde mental em decorrência da pandemia de covid-19.

“É preciso que todos estejamos alertas e que façamos o possível para assegurar a saúde das pessoas que convivem conosco. Mesmo o novo coronavírus tendo afastado muitos pacientes dos consultórios e de seus tratamentos, devemos recordar que, na medida do possível, os atendimentos passaram a ser feitos de forma online, o que foi autorizado pelos conselhos profissionais, possibilitando aos beneficiários de planos de saúde manter o acompanhamento de seus tratamentos que já vinham realizando”, frisou ele.

A campanha Setembro Amarelo é realizada desde 2014 em parceria com Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e do Conselho Federal de Medicina (CFM). Ao longo do tempo, a iniciativa ganhou a adesão de outras entidades e também de órgãos públicos, desdobrando-se assim em diversas ações. O mês de setembro é escolhido porque no dia 10 a Organização Mundial da Saúde (OMS) comemora o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. Na edição deste ano, o tema do Setembro Amarelo é "agir salva vidas".

De acordo com o relatório Suicide Worldwide, publicado pela OMS em junho, mais de 700 mil pessoas morreram por suicídio em 2019, o que representa uma a cada 100 mortes. No Brasil, são aproximadamente 13 mil pessoas por ano. A maioria dos suicídios está relacionada a distúrbios mentais, como depressão e transtorno bipolar.

O Centro de Valorização da Vida (CVV), por meio do telefone 188, é um canal permanente de apoio. Em diversidades cidades, há também um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) que oferece auxílio em horários comerciais. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), pelo telefone 192, ou o Corpo de Bombeiros, pelo 193, devem ser acionados quando ocorrem casos de tentativas de suicídio.

Responsável pela regulação e fiscalização da operação dos planos de saúde privados, a ANS alerta que pequenas mudanças de comportamento podem ser indícios de sintomas de um quadro mais grave, que pode evoluir para o suicídio. O diagnóstico precoce, o tratamento e o acompanhamento são considerados essenciais.  Para estimular a prevenção, a ANS instituiu no final de 2018 a Certificação de Boas Práticas em Atenção Primária à Saúde. Um dos critérios para se obter a certificação plena é o desenvolvimento de ações relativas à saúde mental de seus beneficiários.

“Entendemos que a atenção à saúde mental na saúde suplementar deve ultrapassar a abordagem do quadro agudo e dos sintomas ativos e possuir uma perspectiva ampliada e completa. Essa visão certamente tem influências positivas no atendimento aos beneficiários e é importante que as operadoras estejam atentas”, acrescentou Paulo Rebello.

*Com informações da Agência Brasil